Novidades
Início / LIÇÃO ADULTOS - 3° TRIMESTRE 2018 / Adultos: Lição 08 – O Concílio de Jerusalém – 18 a 25 de Agosto 2018

Adultos: Lição 08 – O Concílio de Jerusalém – 18 a 25 de Agosto 2018

Print Friendly, PDF & Email

 



ÁUDIOS DA SEMANA


SÁBADO A TARDE – 18 DE AGOSTO 2018 – Ano Bíblico: Jr 27–29

VERSO PARA MEMORIZAR

“Cremos que fomos salvos pela graça do Senhor Jesus, como também aqueles o foram” (At 15:11).


LEITURAS DA SEMANA

At 15; Gl 2:11-13; Êx 12:43-49; Rm 3:30; Lv 18:30; Ap 2:14, 20


Após mais de dois anos, Paulo e Barnabé retornaram para Antioquia da Síria. Visto que toda a igreja se envolvera em enviá-los como missionários, era natural que eles prestassem um relatório para a igreja. A ênfase do relatório, no entanto, não era o que eles haviam realizado, mas o que o próprio Deus fizera por meio deles.

O assunto do relatório foi o sucesso da missão entre os gentios, embora muitos judeus também tivessem se convertido à fé. Entretanto, desde o episódio na casa de Cornélio, a conversão de gentios incircuncisos se tornara um problema (At 11:1-18). E agora que muitos deles estavam sendo admitidos como membros da igreja, as coisas ficaram especialmente complicadas. Muitos cristãos em Jerusalém não estavam satisfeitos. Para eles, os gentios precisavam primeiramente ser circuncidados, ou seja, se tornar prosélitos judeus a fim de fazer parte do povo de Deus e ter comunhão com ele.

Atos 15 trata do problema dos gentios, que atingira um nível crítico, e também do trabalho conjunto da igreja para encontrar uma solução. O Concílio de Jerusalém representou uma reviravolta na história da igreja apostólica em relação à sua missão mundial.


DOMINGO, 19 DE AGOSTO 2018 – O PONTO EM DEBATE – Ano Bíblico: Jr 30–32

Desde o início, a igreja de Antioquia consistia tanto em judeus helenistas quanto em gentios incircuncisos (At 11:19-21; Gl 2: 11-13) que, aparentemente, viviam em comunhão pacífica uns com os outros. Essa comunhão, no entanto, foi destruída pela chegada de um grupo de cristãos de Jerusalém.

1. De acordo com Atos 15:1-5, qual problema a igreja estava enfrentando? Assinale a alternativa correta:

A. (  ) Os judeus de Jerusalém queriam impor a circuncisão aos gentios.
B. (  ) A apostasia estava grande e muitos estavam desertando da fé.

Tradicionalmente chamados de “judaizantes”, esses indivíduos da Judeia eram possivelmente os mesmos identificados no versículo 5 como fariseus cristãos. A presença dos fariseus na igreja não deve nos surpreender, pois o próprio Paulo havia sido um fariseu antes de sua conversão (Fp 3:5). Esse grupo parece ter ido a Antioquia por iniciativa própria (At 15:24), embora outro episódio também ocorrido em Antioquia algum tempo depois revele que a maioria dos judeus cristãos de Jerusalém, inclusive os apóstolos, não estava muito à vontade com a presença de gentios incircuncisos na igreja (Gl 2:11-13).

Em sua epístola aos Gálatas, Paulo não fala coisas positivas sobre os judaizantes, rotulando-os como “perturbadores” (Gl 1:7; 5:10) e “falsos irmãos” (Gl 2:4), cuja verdadeira motivação era destruir gradativamente a liberdade espiritual do evangelho e levar os gentios conversos à escravidão do legalismo.

O argumento deles era bastante simples: a menos que os gentios fossem circuncidados e guardassem todas as demais leis cerimoniais judaicas, eles não poderiam ser salvos. A salvação – eles acreditavam – só podia ser encontrada na comunidade da aliança de Deus e, de acordo com o Antigo Testamento, não havia outra maneira de se tornar parte de Seu povo escolhido, a não ser por meio da circuncisão (Gn 17:9-14; Êx 12:48). Em suma, os gentios só poderiam ser salvos se eles se tornassem prosélitos judeus.

Paulo e Barnabé evidentemente não podiam concordar com esses requisitos, que iam contra a própria natureza do evangelho. A abordagem agressiva dos visitantes da Judeia gerou uma discussão acalorada; a palavra em Atos 15:2 (stasis) tem o sentido de “conflito” ou “dissensão”. Não obstante, o assunto era muito importante para ser tratado apenas localmente. A unidade da igreja estava em risco. Os irmãos de Antioquia então decidiram enviar diversos delegados a Jerusalém, inclusive Paulo e Barnabé, com o propósito de encontrar uma solução.

Coloque-se no lugar dos que tiveram que dialogar com os judaizantes. Quais argumentos você usaria para defender seu ponto de vista?


SEGUNDA-FEIRA, 20 DE AGOSTO 2018 – CIRCUNCISÃO – Ano Bíblico: Jr 33–35 

Uma das grandes questões nesse conflito era a circuncisão. Ela não era uma ordenança humana (compare com Mt 15:2, 9). Em vez disso, a circuncisão havia sido estabelecida por Deus como sinal de Sua aliança com os descendentes de Abraão, Seu povo (Gn 17:9-14).

2. Leia Êxodo 12:43-49. Além dos filhos de Israel, quem deveria ser circuncidado?

As bênçãos da aliança não estavam restritas aos filhos de Israel, mas eram estendidas a qualquer escravo ou estrangeiro que desejasse experimentá-las, desde que fosse circuncidado. Após a circuncisão, o estrangeiro teria o mesmo status diante de Deus de um israelita nato: ele seria “como o natural da terra” (Êx 12:48).

A circuncisão, portanto, era indispensável (para um homem) ser membro pleno da comunidade da aliança de Deus. E visto que Jesus era o Messias de Israel, parecia natural aos judaizantes insistir que nenhum gentio poderia se beneficiar de Sua salvação sem antes se tornar judeu.

3. Leia Romanos 3:30; 1 Coríntios 7:18; Gálatas 3:28; 5:6. Como Paulo compreendia a circuncisão?

__________________________________________________________________

Ao afirmar que nenhum gentio poderia ser salvo sem primeiramente se unir ao judaísmo, os judaizantes estavam misturando dois conceitos distintos: aliança e salvação. Ser membro da comunidade da aliança de Deus não garantia a salvação (Jr 4:4; 9:25). Além disso, o próprio Abraão foi salvo (justificado) pela fé, o que ocorreu antes da circuncisão, e não por causa dela (Rm 4:9-13). A salvação sempre foi pela fé, enquanto a aliança foi uma provisão graciosa por meio da qual Deus revelaria a Si mesmo e Seu plano salvífico ao mundo inteiro. Israel havia sido escolhido para esse propósito (Gn 12:1-3).

No entanto, o problema era que, ao associar de maneira muito próxima a aliança e a salvação, esses cristãos judeus vieram a considerar a circuncisão como algo meritório. Contudo, a graça salvadora de Deus não age onde as obras humanas atuam. Portanto, impor a circuncisão aos cristãos gentios como meio de salvação era distorcer a verdade do evangelho (Gl 1:7; 2:3-5), anular a graça de Deus (Gl 2:21) e tornar Jesus de nenhum proveito (Gl 5:2). Além disso, era negar o caráter universal da salvação (Cl 3:11; Tt 2:11). Paulo jamais poderia concordar com esse tipo de pensamento.

Qual é o perigo de pensar que a salvação é resultado de, simplesmente, ser membro da igreja certa?


TERÇA-FEIRA, 21 DE AGOSTO 2018 – O DEBATE – Ano Bíblico: Jr 36–38 

4. De acordo com Atos 15:7-11, qual foi a contribuição de Pedro para o debate em Jerusalém?

Lucas não informa todo o conteúdo da reunião. Seria interessante saber os argumentos dos judaizantes (At 15:5), bem como as respostas de Paulo e Barnabé (At 15:12). O fato de que temos apenas os discursos de Pedro e Tiago mostra a importância desses homens entre os apóstolos.

Pedro se dirigiu aos apóstolos e anciãos, lembrando-­lhes de sua experiência anterior com Cornélio. Seu argumento era o mesmo que usara diante dos irmãos em Jerusalém (At 11:4-17). Deus mostrara Sua aprovação quanto à conversão de Cornélio (embora ele fosse um gentio incircunciso), dando a ele e à sua família o mesmo dom do Espírito que havia concedido aos apóstolos no Pentecostes.

Em Sua divina providência, Deus usara ninguém menos que Pedro para convencer os cristãos da Judeia de que Ele não faz distinção entre judeus e gentios em relação à salvação. Mesmo que eles não possuíssem os benefícios da purificação por meio das regras e regulamentos da antiga Aliança, os gentios cristãos não podiam mais ser considerados impuros, pois o próprio Deus havia purificado seu coração. A declaração final de Pedro muito se assemelha ao que esperaríamos de Paulo: “Mas cremos que fomos salvos pela graça do Senhor Jesus, como também aqueles o foram” (At 15:11).

5. Leia Atos 15:13-21. Qual foi a solução proposta por Tiago para o problema dos gentios? Complete as lacunas:

“Não devemos ____________ aqueles que, dentre os gentios, se convertem a Deus, mas escrever-lhes que se abstenham das ______________ dos ídolos, bem como das relações sexuais ____________, da carne de ____________ sufocados e do sangue” (At 15:19, 20).

O discurso de Tiago sugere que ele estava em uma posição de autoridade (compare com At 12:17; 21:18; Gl 2:9, 12). Independentemente do que ele possa ter entendido pela “reedificação do tabernáculo de Davi”, que na profecia de Amós se refere à restauração da dinastia davídica (Am 9:11, 12), o propósito principal de Tiago era demonstrar que Deus já havia estabelecido que os gentios se unissem, em certo sentido, ao “povo de Deus” reconstituído, e assim eles poderiam ser incorporados a Israel.

Por isso, sua decisão foi que não deveriam ser impostas aos gentios conversos outras restrições, além daquelas que normalmente seriam exigidas de estrangeiros que desejavam viver na terra de Israel.


QUARTA-FEIRA, 22 DE AGOSTO 2018 – O DECRETO APOSTÓLICO – Ano Bíblico: Jr 39–41 

6. Leia Atos 15:28, 29. Quais são as quatro proibições que o concílio decidiu impor aos gentios conversos?

___________________________________________________________________

O principal problema pelo qual o concílio havia sido convocado foi resolvido. Visto que a salvação é pela graça, os gentios seriam isentos da circuncisão quando se unissem à igreja. No entanto, deviam se abster de quatro coisas: (1) carne oferecida em sacrifício aos ídolos em rituais pagãos e servida em uma festa do templo ou vendida no mercado; (2) consumo de sangue; (3) carne de animais estrangulados, ou seja, a carne cujo sangue não tinha sido drenado; e (4) imoralidade sexual nas suas várias formas.

A maioria dos cristãos hoje trata as proibições dietéticas (as três primeiras proibições) como recomendações temporárias. Como essas coisas eram especialmente repugnantes para os judeus, as proibições – argumentam eles – visavam apenas transpor o abismo entre cristãos judeus e gentios. Frequentemente se diz que todas as outras leis do Antigo Testamento, inclusive as leis levíticas alimentares (Lv 11) e o mandamento do sábado (Êx 20:8-11), que estão ausentes da lista, não são mais obrigatórios.

O chamado “decreto apostólico”, porém, não era nem temporário nem um novo código de ética cristão que excluía tudo o mais em relação ao Antigo Testamento. Na verdade, sob a direção do Espírito Santo (At 15:28), os apóstolos e anciãos da igreja apenas reproduziram os regulamentos de Levítico 17 e 18 no que diz respeito aos estrangeiros residentes em Israel.

No contexto de Levítico, essas proibições significavam a renúncia ao paganismo. Todo estrangeiro que desejasse viver em Israel deveria renunciar às práticas pagãs (Lv 18:30). Da mesma forma, todo gentio que desejasse se unir à igreja era obrigado a assumir uma posição contra o paganismo.

No entanto, isso era apenas o primeiro passo. Uma vez aceito, esperava-se que ele cumprisse a vontade de Deus, obedecendo aos mandamentos universais, pré-mosaicos e não intrinsecamente cerimoniais, como o sábado (Gn 2:1-3), e seguindo a distinção entre alimentos puros e impuros (Gn 7:2).

Que o decreto não era temporário pode ser visto em Apocalipse 2:14 e 20, em que a primeira e a última proibições são repetidas, contemplando também implicitamente as outras duas. Evidências históricas mostram que o decreto ainda era considerado normativo pelos cristãos muito tempo depois do período do Novo Testamento.

Quando surgem conflitos, podemos nos sentar juntos, escutar um ao outro e, com um espírito de respeito e humildade, superar os problemas?


QUINTA-FEIRA, 23 DE AGOSTO 2018 – A CARTA DE JERUSALÉM – Ano Bíblico: Jr 42–44 

7. Leia Atos 15:22-29. Quais medidas adicionais foram tomadas pela igreja de Jerusalém sobre a decisão do concílio?

___________________________________________________________________

A primeira medida foi escrever uma carta aos cristãos gentios para informá-los sobre o que havia sido decidido. A carta, escrita em nome dos apóstolos e anciãos de Jerusalém, era um documento oficial que refletia a autoridade da igreja de Jerusalém (certamente por causa da liderança dos apóstolos) sobre as outras comunidades cristãs. Escrita em 49 d.C., data mais provável do concílio, essa carta é um dos primeiros documentos cristãos que temos.

A igreja de Jerusalém também decidiu nomear dois delegados, Judas Barsabás e Silas, para acompanhar Paulo e Barnabé até Antioquia. A tarefa deles era levar a carta e confirmar seu conteúdo.

8. Leia Atos 15:30-33. Como a igreja em Antioquia reagiu à carta? Assinale a alternativa correta:

A. (  ) Ficou muito feliz e confortada pela decisão do concílio.
B. (  ) Não ficou satisfeita com as proibições.

Quando a carta foi lida, a igreja transbordou de alegria por causa da mensagem encorajadora: a circuncisão não deveria ser exigida dos gentios conversos. Eles também não impuseram nenhuma objeção às exigências da carta (o decreto apostólico de quatro itens). A primeira discordância mais grave na igreja primitiva foi, portanto, resolvida, pelo menos em teoria.

Ao final do concílio, o evangelho de Paulo foi plenamente reconhecido pelos líderes da igreja em Jerusalém, que estenderam a ele e a Barnabé a mão direita como sinal de comunhão, aceitação e confiança (Gl 2:9). Contudo, aqueles cristãos judeus que continuavam a viver pela lei judaica ainda consideravam muito problemático ter comunhão com os gentios que, para todos os efeitos, permaneciam ritualmente impuros.

Isso pode ser demonstrado, por exemplo, pelo incidente envolvendo Pedro (Gl 2:11-14). Ellen G. White declara: “Até mesmo os discípulos não estavam todos preparados para aceitar de boa vontade a decisão do concílio” (Atos dos Apóstolos, p. 197).

Seja honesto consigo mesmo: É difícil ter comunhão com cristãos de outras etnias, culturas e até mesmo de outras classes sociais? Como você pode ser purificado dessa atitude que vai contra o evangelho?


SEXTA-FEIRA, 24 DE AGOSTO 2018 – ESTUDO ADICIONAL –  Ano Bíblico: Jr 45–48

Em geral, os conversos judeus não estavam dispostos a mudar na mesma velocidade em que a providência de Deus abria o caminho. Do resultado do trabalho dos apóstolos entre os pagãos, ficou evidente que o número dos conversos gentios seria bem maior que o dos conversos judeus. Os judeus temiam que, se as restrições e cerimônias de sua lei não se tornassem obrigatórias aos não judeus como condição para serem membros da igreja, as peculiaridades da nação judaica, que até então os haviam mantido como um povo distinto de todos os outros povos, acabariam desaparecendo dentre os que recebiam a mensagem do evangelho” (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 189).

“Vivendo nas imediações do templo, os cristãos judeus tinham, naturalmente, a atenção voltada aos privilégios peculiares dos judeus como nação. Quando viram a igreja cristã se afastando das cerimônias e tradições do judaísmo e perceberam que a peculiar santidade que revestia os costumes judaicos seria logo perdida de vista à luz da nova fé, muitos se indignaram com Paulo, entendendo que ele era a pessoa que, em grande medida, havia provocado essa mudança. Até mesmo os discípulos não estavam todos preparados para aceitar de boa vontade a decisão do concílio. Alguns eram zelosos com relação à lei cerimonial, e discordavam de Paulo, pois achavam que seus princípios referentes às obrigações da lei judaica não eram firmes” (Ibid., p. 197).

Perguntas para discussão

1. Como entender o fato de que pertencer à “igreja certa” não garante a salvação? Por exemplo, certamente o antigo Israel era o povo escolhido, mas isso não significa que todos nele foram salvos. Se estar na igreja verdadeira não garante a salvação, então, qual é a vantagem de fazer parte dela?

2. Aceitar gentios incircuncisos na comunidade de fé foi uma das primeiras questões administrativas mais importantes enfrentadas pela igreja primitiva. Existem problemas similares em nossa igreja hoje? Como o exemplo de Atos 15 nos ensina a lidar com eles?

3. Peça que alguns alunos assumam a posição dos judeus que insistiam que os gentios se tornassem prosélitos judeus antes de se unirem à igreja, que era vista (e com razão) como uma extensão das promessas da aliança feitas a Israel. Quais seriam os argumentos deles e como você poderia respondê-los? Por que problemas que hoje parecem tão claros poderiam, em um momento diferente, ter sido muito mais difíceis do que parecem hoje?


RESPOSTAS AS ATIVIDADES DA SEMANA

 

 1. A.

2. Escravos e estrangeiros que desejassem se unir a Israel e participar da Páscoa. O que impomos aos que desejam fazer parte da igreja? Isso é bíblico?

3. Peça a participação dos alunos.

4. Falou que foi enviado aos gentios, que receberam o Espírito Santo e foram salvos pela fé, sendo iguais aos judeus diante de Deus.

5. Perturbar – contaminações – ilícitas – animais.

6. Eles deviam se abster das coisas sacrificadas a ídolos, do sangue, da carne de animais sufocados e das relações sexuais ilícitas.

7. Peça que um dos alunos leia o texto e responda à pergunta.

8. A.

sobre Portal da Escola Sabatina Online

O Portal da Escola Sabatina Online, Foi criado no dia 31 de Dezembro 2016 com o único intuito é incentivar a todos interessados a estudarem a LES e lhe concedendo a oportunidade de terem acessos diariamente pela via online. Todos os conteúdos do Portal é extremamente de máxima qualidade! Direção: Thiago A. de Oliveira - Baixo Guandu/ES.

Além disso, verifique

Álbum de versos: Jardim e Primários

  Arquivo compactado contendo o material sugestivo e de apoio para o álbum de versos …

4 Comentários

  1. Mirian Rufino

    Que tipo de resposta teremos com relação a primeira pergunta, isso, me preocupa. Pois de fato sábado e igreja não salvam mais, me protegem. De fato, o que nos salva é a graça de Cristo Jesus. Muitos, poderam achar nessa pergunta um escape para poder andar longe do convivio da igreja e irmandade e correr o risco de achar que está certo.

  2. Clarice Alves de Oliveira

    A lição de hj deixou margem para aqueles que gostam de dizer que a lei da guarda do sábado foi abolida.

    • Carlos Martins

      Hoje os que põem o sábado em questão fazem o mesmo trabalho dos judeus que acusaram Jesus de violar o sábado.
      Não entendiam a verdadeira essência do mandamento da guarda do sábado:
      “E Jesus, tomando a palavra, falou aos doutores da lei, e aos fariseus, dizendo: É lícito curar no sábado?”
      Lucas 14:3
      “Pois, quanto mais vale um homem do que uma ovelha? É, por consequência, lícito fazer bem nos sábados.”
      Mateus 12:12

      Essa questão está mais que esclarecida nos seguintes versículos:
      “Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim abrogar, mas cumprir.”
      Mateus 5:17

      “E é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til da lei.”
      Lucas 16:17

      “Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til jamais passará da lei, sem que tudo seja cumprido.”
      Mateus 5:18

      “Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus.”
      Apocalipse 14:12

  3. O áudio está errado, não se refere à lição correspondente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale Conosco!!