Novidades
Início / AUXILIAR DA SEMANA - 4° TRIMESTRE 2018 / Auxiliar da Semana: Lição 11 – Unidade na Adoração – 08 a 15 de Dezembro 2018

Auxiliar da Semana: Lição 11 – Unidade na Adoração – 08 a 15 de Dezembro 2018

Print Friendly, PDF & Email

 



TEXTO-CHAVE: Apocalipse 4:8-11

O ALUNO DEVERÁ

Saber: Definir adoração verdadeira e seu papel no grande conflito entre Deus e Satanás.

Sentir: Reverência e gratidão pelo que Deus é, e pelo que fez e faz por nós.

Fazer: Adorar a Deus com a mente e o coração.

ESBOÇO

I. Saber: Adoração verdadeira

A. O que quer dizer a palavra “adoração”? Que ações devem ser consideradas parte da adoração?
B. Como podemos distinguir a adoração verdadeira da falsa?
C. Como podemos ter certeza de que Deus permanece sendo o centro da nossa adoração?
D. Qual é o papel da adoração em cada uma das três mensagens angélicas?

II. Sentir: A grandiosidade de Deus

A. Que aspecto do caráter divino é o mais significativo para você, e qual fala mais à sua circunstância atual?
B. Que sentimentos e emoções lhe vêm à mente ao refletir sobre o que Deus fez por você?

III. Fazer: Responder com todo o ser

A. Adorar a Deus com o coração é diferente de adorá-Lo com a mente?
B. Na prática, como são esses dois aspectos da adoração?
C. É possível engrandecer a Deus, se não podemos torná-Lo maior? O que é engrandecido no processo da adoração?

RESUMO: Adoração envolve demonstrar honra e respeito, bem como serviço e obediência. O caráter de Deus e Suas ações redentivas requerem de Suas criaturas adoração, quando eles juntos reconhecem sua dependência Dele.

CICLO DO APRENDIZADO

Motivação

Focalizando as Escrituras: Apocalipse 14:6, 7

Conceito-chave para o crescimento espiritual: A adoração verdadeira é uma atitude sincera em resposta ao caráter de Deus e ao que Ele fez e faz por nós.

Para o professor: Adoração é um tema-chave no tempo do fim. A identidade de quem é adorado define nossa lealdade. Ao iniciar a recapitulação, enfatize a importância de identificar de forma correta quem é adorado.

Discussão inicial: Num dia de verão, John decidiu colher um pouco dos cogumelos que cresciam abundantemente próximo à sua casa. Ele tinha feito um curso sobre cogumelos e tinha algum conhecimento sobre como identificá-los. Localizou alguns que imaginou serem comestíveis e os colheu para o jantar. Ao chegar em casa, pretendia verificar os cogumelos num guia ilustrado para ter certeza de que eram comestíveis, mas estava atrasado para um compromisso. Certo de que eram comestíveis, cozinhou e comeu os cogumelos, porém, John estava equivocado. Ele havia comido uma espécie perigosa de cogumelos venenosos que destrói o fígado e com frequência resulta em morte. Oito horas depois, John começou a vomitar, e testes mostraram que seu fígado e rins tinham sido bastante prejudicados. John sobreviveu, contudo, seu erro quase lhe custou a vida.

O apóstolo João nos adverte que precisamos ter o mesmo cuidado ao identificarmos o objeto de nossa adoração. Deus deve ser o único objeto de nossa adoração, e ela deve refletir nossa lealdade a Ele.

Perguntas para discussão

Por que foi difícil distinguir entre cogumelos venenosos e comestíveis? O que John poderia ter usado para diferenciá-los? Sua resposta pode ajudar a refletir sobre como você diferencia a adoração verdadeira da falsa?

Compreensão

Para o professor: Esta seção examina a natureza da adoração e seu papel no grande conflito. Enfatize que é essencial entender o que constitui a verdadeira adoração para impedir que Satanás nos engane com formas falsificadas de adoração. Não permita que a classe se desvie com debates sobre preferências e estilos de adoração.

COMENTÁRIO BÍBLICO

I. A natureza da adoração

(Recapitule com a classe Ap 4:8-11.)

A Bíblia usa várias palavras do grego e do hebraico para descrever aspectos diferentes da adoração. As palavras hebraicas para adoração enfatizam honra, respeito e reverência ao focalizar as ações de ajoelhar-se, prostrar-se, ou de outra forma humilhar-se perante outra pessoa. Contudo, adoração no Antigo Testamento não está limitada a ações físicas, mas também inclui os conceitos de obediência e serviço que demonstram a realidade de nossa adoração. Isaías indica claramente que apenas ter as atitudes exteriores de adoração sem obediência não significa adorar (Is 1:10-17; 58).

No Novo Testamento também há uma variedade de palavras que podem significar curvar-se, reverenciar, demonstrar honra e devoção ou servir. A palavra mais comum para adoração no Novo Testamento é proskyne?, que significa literalmente “beijar em direção a”. É provável que a atitude reflita o costume de honrar a um rei ou oficial curvando-se perante eles e beijando-lhes os pés, ação compreendida como aceitação da dependência ou submissão à autoridade (ver William F. Arndt, F. Wilbur Gingrich, Frederick W. Danker e Walter Bauer, A Greek-English Lexicon of the New Testament and Other Early Christian Literature [Glossário Grego-Inglês do Novo Testamento e Outras Literaturas Cristãs Primitivas]. Chicago: University of Chicago Press, 2000, p. 882). Portanto, o uso dessa palavra para descrever a adoração a Deus possivelmente indique que o sentido pretendido é mais do que a ação física de beijar ou curvar-se. Adorar a Deus é reconhecer Sua grandeza e majestade, compreender que Ele é o Criador e nós somos criaturas, e admitir nossa indignidade, impotência e absoluta dependência Dele. Reconhecer isso implica a disposição de aceitar que Deus é o Senhor de nossa vida.

A adoração verdadeira tem várias características importantes. Primeiramente, direciona-se a Deus e somente a Ele (Dt 6:13, Mt 4:10). Em segundo lugar, jamais é forçada, mas é uma resposta espontânea ao caráter de Deus e às Suas ações redentivas em nosso favor. Começa no coração e não parte das expectativas dos outros. Em terceiro lugar, a adoração não é simplesmente uma atividade de sábado de manhã ou uma parte de um serviço de culto. É um estilo de vida. Espera-se que vivamos e respiremos a resposta ao que Deus fez e faz por nós. Os seres viventes ao redor do trono, retratados em Apocalipse 4, adoravam continuamente dia e noite. Embora tal adoração intensa, constante e direcionada não seja possível em nossa vida pecaminosa, essa descrição ressalta a ideia de que cada palavra e ação nossa deve honrar o nome de Deus.

A adoração verdadeira tem o potencial de nos unir de uma forma que não seria possível de outro modo. Quando focalizamos em nossa vida a adoração a Deus como o Centro de nossa fé, somos menos propensos a ver aquilo que nos divide. Quer sozinhos ou num serviço de adoração, adoramos com outros ao redor do mundo, louvando a Deus. Portanto, a adoração nos dá a oportunidade de reconhecer que somos parte de algo além de nós mesmos. Ao mesmo tempo, a adoração nos lembra de nossa dependência de Deus. Orgulho e inveja, que contribuem para a desarmonia, se dissolvem quando reconhecemos que somos todos criaturas que dependem de Deus.

Pense nisto: Em que sentido a obediência pode ser considerada adoração? Como é uma vida de adoração?

II. A adoração e o grande conflito

(Recapitule com a classe Ap 14:6-12.)

A importância de se entender a verdadeira adoração é enfatizada pelo papel central que a adoração desempenha nas três mensagens angélicas e no contexto mais amplo do grande conflito entre Deus e Satanás. A batalha começou com a rebelião de Satanás no Céu e sua orgulhosa comparação de si mesmo com Deus (Is 14:14). A guerra cósmica continua com a contestação do caráter de Deus. Enquanto Deus demonstra Seu caráter derramando amor e graça, o que chama a uma resposta de adoração, Satanás convida à adoração por meio do engano. Ele busca retirar nosso foco de Deus estabelecendo um sistema alternativo de adoração. A mensagem do primeiro anjo é um lembrete de que Deus, o Criador do Universo, é o único que merece adoração. Honrar o sábado do sétimo dia que Ele santificou é um ato de adoração e fidelidade a Ele, porém, limitar o significado apenas ao dia de adoração é deixar de notar as implicações abrangentes da mensagem. O culto ao Criador acontece não apenas pela adoração direta a Ele no dia que Ele apontou, mas também ao valorizarmos Sua criação. Não se pode adorar verdadeiramente o Criador e ao mesmo tempo destruir e maltratar o que Ele criou. A mensagem do segundo anjo mostra o amor e a graça divinos, advertindo aqueles que têm sido enganados por abordagens falsificadas de salvação e adoração. Finalmente, na terceira mensagem angélica, vemos que escolher o foco errado de adoração leva, por fim, à morte, ao passo que escolher adorar somente a Deus conduz à vida. Por ser Deus o Criador e Mantenedor da vida, não esperamos nada menos que isso. Quando estamos separados da Fonte da vida, só resta a morte.

Pense nisto: Por que a adoração é o ponto central das três mensagens angélicas? Como você pode ter certeza de que está adorando o Criador e não está caindo num dos esquemas satânicos para distraí-lo? De que forma as mensagens dos três anjos nos unem?

Aplicação

Para o professor: Com frequência limitamos o alcance da adoração ao que acontece no sábado de manhã. No entanto, ela é muito mais abrangente. Ajude a classe a explorar as dimensões da adoração.

Perguntas para reflexão

1. Adorar é muito mais que cantar e orar. Por que raramente consideramos a adoração além do sábado e de outros serviços religiosos?

2. Por que alguns não encontram sentido nos serviços de culto? Como esse problema pode interferir no restante da semana?

3. Como podemos fazer da adoração um estilo de vida?

4. Sua participação atual nas atividades de culto é uma resposta do coração?

Criatividade e atividades práticas

Para o professor: Somos chamados a adorar ao Deus que nos criou e nos redimiu. As atividades propostas a seguir ajudam os participantes a focalizar a Deus, o Centro de nossa adoração.

Atividades

1. Crie uma leitura responsiva para um serviço de culto que ajude as pessoas a refletir sobre diferentes aspectos do caráter divino.
2. Planeje uma noite de oração, estruturada de forma a apresentar aos participantes um objetivo claro para a oração, e varie a forma de oração para cada objetivo.
3. Ouça uma música que exalte a grandeza ou majestade divina. Ore para que Deus o ajude a experimentar a beleza e o caráter divino de novas formas.
4. Leve para a classe um cesto com objetos domésticos comuns. Peça que o grupo sugira semelhanças entre Deus e cada um dos itens do cesto. Em seguida, agradeça a Deus por ajudá-lo a lembrar-se das muitas dimensões de Seu caráter e natureza.

Planejando atividades: O que sua classe pode fazer na próxima semana como resposta ao estudo da lição?

sobre Portal da Escola Sabatina Online

O Portal da Escola Sabatina Online, Foi criado no dia 31 de Dezembro 2016 com o único intuito é incentivar a todos interessados a estudarem a LES e lhe concedendo a oportunidade de terem acessos diariamente pela via online. Todos os conteúdos do Portal é extremamente de máxima qualidade! Direção: Thiago A. de Oliveira - Baixo Guandu/ES.

Além disso, verifique

Comentários para Adolescentes: Lição 11 – O Fim do Mundo – 08 a 15 de Dezembro 2018

  SÁBADO A TARDE – 08 DE DEZEMBRO 2018 – FIM? Olá amigos espero que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale Conosco!!