Novidades
Início / COMENTÁRIOS PARA JOVENS - 4° TRIMESTRE 2018 / Comentários para Jovens: Lição 08 – Unidos na Fé – 17 a 24 de Novembro 2018

Comentários para Jovens: Lição 08 – Unidos na Fé – 17 a 24 de Novembro 2018

Print Friendly, PDF & Email

 



SÁBADO A TARDE – 17 DE NOVEMBRO 2018 – PRÉVIA DA SEMANA

Unidade em Cristo é um processo. Na vida do cristão ou da igreja local. E apresenta seus resultados iniciais na segunda vinda de Cristo, perpetuando-se pela eternidade. Começou na criação e será contínuo pelos séculos.

É experimentada no recôndito do ser. No íntimo do ser humano, consigo. Mente e corpo. Emocional e razão. Cultura e convivência. Na vida social: em família, cônjuge e cônjuge, pais e filhos, vizinhos e vizinhos. Nos negócios: entre contratante e contratado, fornecedor e cliente, chefe e subordinado. Nos governos: entre governantes e governados, comandantes e comandados, autoridades e cidadãos. Entre povos e nações. Na vida religiosa: entre Criador e criatura, entre as criaturas, a humanidade e o meio-ambiente.

A unidade é praticada na fé. Fé de sermos família do Deus Criador, que “é amor”, e que apesar de sermos formados sob pecado, nos ama a ponto de dar “o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16) e, por isso, em “nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos” (Atos 4:12).

Há diversos motivos para a desunião, mas Deus sempre adverte sobre os ardis do inimigo, que deseja destruir a “imagem e semelhança” de Deus na humanidade e implantar sua imagem de orgulho e egocentrismo. Seus ataques seriam insuportáveis, não fora o amparo divino; falsas doutrinas e contrafações para enganar multidões; envolvimento de nações contra nações para destruir milhões pela desunião.

Na ânsia de implantar-se no coração humano como deus, Satanás utiliza estratégias como perseguição e morte; ou voz mansa de “cordeiro”; muda os tempos e o dia criado por Deus para a reconstituição das forças humanas na semana, o sábado, por um “sábado espúrio”. Lembremo-nos, a lei não salva, mas conduz à fé que justifica, como “aio [pedagogo, professor, orientador]”.

Pense:Os que trabalham com o evangelho devem ser elevados e santificados; pois estão lidando com os princípios de Deus. Atrelados a Cristo, são cooperadores de Deus. Assim deseja o Senhor unir Seus seguidores uns aos outros, para que possam ser uma força para o bem, realizando cada qual a sua parte, não obstante nutrirem todos os sagrados princípios de dependência da Cabeça”. (EGW, TI, v. 6, p. 242.1).

Desafio: Obter, desenvolver e compartilhar a unidade da fé.


DOMINGO, 19 DE NOVEMBRO 2018 – SALVAÇÃO EM JESUS

Fé na salvação em Jesus não é exclusividade de nenhuma denominação. A quase totalidade do cristianismo defende esse ponto como essencial em seus credos. Também os adventistas do sétimo dia. E onde está o diferencial? Está em que o conjunto das crenças fundamentais da Igreja Adventista do Sétimo Dia forma um sistema de verdades bíblicas, fundamentadas única e exclusivamente na Bíblia, inclusas as doutrinas exclusivas proclamadas somente pelos adventistas.

A Bíblia ensina: a salvação depende só, exclusiva e totalmente de Jesus. Pois o próprio Cristo assim estabeleceu, e os apóstolos corroboraram isso em seus ensinos. Pedro diz que “em nenhum outro há salvação” (Atos 4:12). E a salvação é processada em todos os que creem, não importa quão pecadores sejam. Porque o perdão é concedido a todo o que crer, pois “todos os que Nele [Jesus] creem receberão o perdão dos pecados pelo Seu nome”. E Paulo em sua segunda carta aos coríntios ensina: “Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo” (2 Coríntios 5:19).

Qual o significado da morte e ressurreição de Cristo a cada um de nós e para a unidade na salvação em Jesus? Paulo, João e Pedro nos ajudam a responder. Paulo aos romanos esclareceu “justificados… pela Sua graça”, ocorre “a propiciação pela fé no Seu [de Jesus] sangue” (Romanos 3:24, 25). E João, em sua primeira carta diz que Jesus é “a propiciação pelos nossos pecados … também pelos de todo o mundo” (I João 2:2), e que porque Deus nos ama “enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados” (I João 4:10). Pedro cita que Jesus sofreu em Seu corpo as nossas culpas, sendo nosso exemplo além de conceder-nos “viver para a justiça” (I Pedro 2:21-24).

Esses ensinos formam o evangelho eterno que é anunciado pelos três anjos de Apocalipse 14:6-12 e que deve ser proclamado a todos, como enfatiza a pregação adventista.

Pense:Nosso resgate foi pago pelo nosso Salvador. Ninguém precisa ser escravizado por Satanás. Cristo Se encontra diante de nós como nosso divino exemplo, nosso todo poderoso Ajudador. Fomos comprados com um preço que é impossível calcular. Quem pode medir a bondade e a misericórdia do amor redentor?” (EGW, Ms 76, 1903, in SDABC, v. 6, p 1.195).

Desafio: Ter fé na salvação no nome de Jesus e em seu sacrifício. Espalhar essa mensagem de amor a todos.


SEGUNDA-FEIRA, 19 DE NOVEMBRO 2018 – A SEGUNDA VOLTA DE CRISTO

A unidade na salvação desperta as questões: salvação do quê? Para quê? Aprendemos que somos salvos de todos os pecados que impeçam nossa unidade com Deus. Mas o objetivo maior da salvação é constituir um “povo de Deus”, em unidade pela eternidade, o que é garantido pela segunda vinda de Cristo (João 14:3).

A igreja apostólica esperou isto e a chamou de “bem-aventurada esperança” (Tito 2:13). É, também, a esperança dos adventistas, cujo nome declara aguardar o advento de Jesus.

Esperança proclamada pelas profecias; por Jesus – João 14:1-3; pelos anjos, na ascensão de Jesus; os apóstolos falaram dela; e o Revelador a confirmou no Apocalipse.

Esperança que é ponto de unidade da fé em Jesus e discordâncias na leitura bíblica sobre o assunto. São pontos definitivos:

1º) Efetividade de Sua vinda: no início da igreja cria-se num evento imediato. Paulo disse “nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor” (1 Tessalonicenses 4:15), ou seja, Cristo voltaria enquanto ele estivesse vivo. Mas havia descrentes dizendo “Onde está a promessa da sua vinda?” (2 Pedro 3:4). Jesus voltará. Ele afirmou em João 14:1-3.

2º) Visibilidade: a Bíblia diz que será visível (Atos 1:11) e a “todo olho” (Apocalipse 1:7).

3º) Universalidade e tempestividade: “como o relâmpago sai do oriente e se mostra até ao ocidente, assim será também a vinda do Filho do homem” (Mateus 24:27).

4º) Milagres simultâneos – a ressurreição dos mortos e a transformação dos vivos em corpo espiritual: “os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro” e os “vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens” (I Tessalonicenses 4:13-17).

5º) Trará juízo: “da sua boca saía uma aguda espada” (Apocalipse 19:11-18).

6º) Imprevisibilidade: Jesus afirmou “daquele dia e hora ninguém sabe” (Mateus 24:36).

7º) Preparação: Jesus ensinou em Mateus 25:1-13 – a parábola das dez virgens, que os que esperam devem estar preparados, e o texto ensina que preparar-se é receber o Espírito Santo (o óleo), e esse óleo produz luz para cada expectante e ao seu redor.

Pense:Mesmo em meio à operação do mal, o propósito de Deus tem prosseguido firmemente em direção do seu cumprimento. Foi assim com a casa de Israel através da história da monarquia dividida; assim é com o Israel espiritual de hoje”. (EGW, PR, p. 369.8).

Desafio: Manter a segunda vinda como a bendita esperança e estar preparado para ela.


TERÇA-FEIRA, 20 DE NOVEMBRO 2018 – O MINISTÉRIO DE JESUS NO SANTUÁRIO CELESTIAL

A instrução Divina para culto e adoração aceitável, estabeleceu o ritual, repleto de significância, bem como o local. Deus chamou este local de “santuário” e “tabernáculo”. Construção que obedeceria a modelo celestial, mostrado a Moisés. Santuário porque sagrado, e Tabernáculo porque seria a morada de Deus no meio do povo israelita. Por aproximados 500 anos Israel adorou e cultuou a Deus nesse tabernáculo móvel, na verdade uma tenda.

No do reinado de Davi, desejou ele construir um templo para abrigar a Arca da Aliança, mas Deus não permitiu. Orientou para que seu filho, Salomão, o fizesse. Este santuário, seguiu proporções e compartimentos semelhantes ao Tabernáculo, portanto, ambas as construções foram “conforme o modelo”. Permitida por Deus e em condenação à apostasia israelita, foi destruído pelos babilônicos, cerca de 455 anos mais tarde.

Houve ainda o segundo templo ou templo de Herodes, construído sobre as ruinas do templo de Salomão, cerca de 515 a.C., reformado por Herodes, o Grande, em 19 a.C., e destruído completamente pelos romanos em 70 d.C. Hoje resta apenas o que é conhecido como Muro das Lamentações.

Importante é que havia um modelo, no Céu. Mostrado a Moisés como base para a construção e para os serviços sagrados a serem ali realizados. Isto é confirmado pelo autor de Hebreus que claramente menciona este santuário celestial, que é o “verdadeiro tabernáculo” e declara que ali o sacerdote e sumo-sacerdote é Cristo (Hebreus 8 e 9).

Apenas o sumo-sacerdote pode apresentar diante de Deus a oferta pelo pecado e interceder pela misericórdia para o pecador. É isto que Jesus fez e está fazendo hoje. Somos purificados, mas se pecarmos, basta confessarmos para que o nosso Advogado – Cristo Jesus, se apresente diante do Pai em nossa defesa.

Pense:Não aceitará você então com reconhecimento as bênçãos concedidas por Jesus? Não tomará o cálice da salvação que Ele apresenta, e invocará o nome do Senhor? Não mostre desconfiança nAquele que o chamou das trevas para Sua maravilhosa luz. … Ele observa com o mais intenso interesse seu progresso no caminho celeste; vê seus diligentes esforços; nota suas quedas e reerguimentos, suas esperanças e seus temores, os conflitos e as vitórias”. (EGW, TI, v. 5, p. 317.1).

Desafio: Confiar sem nenhuma dúvida no poder salvífico e sumo-sacerdotal de Cristo a seu favor.


QUARTA-FEIRA, 21 DE NOVEMBRO 2018 – O SÁBADO 

A unidade na fé se concretiza na salvação é tão somente em Jesus. E Sua segunda vinda é a esperança maior de todo crente, pois o ministério sacerdotal de Jesus no santuário celestial é completo. E qual demonstração que desejamos essa unidade de comunhão na eternidade?

Em Mateus 22:37-39 Jesus resume a Lei. E 1 João 3:24 recapitula “Quem guarda os Seus mandamentos, em Deus permanece e Deus nele”. Esta é uma das mensagens do “evangelho eterno” de Apocalipse 14:6-12, que convoca todos a adorarem “aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas”, o que nos remete à criação e à lei, destacando o quarto mandamento, o sábado. Isto é, o sábado é ponto crucial à confirmação da unidade na fé.

O sábado foi criado como dia especial, sinal da completude da obra de Deus. É “lugar” de repouso para a semana. Momento de intimidade, pessoal e familiar entre criaturas e Criador (Gênesis 2:1-3). Deus dignifica o sábado ao colocá-lo como limite da primeira tábua dos dez mandamentos, ou seja, o “amarás o Senhor teu Deus …” contém o “Lembra-te do dia de sábado, para o santificar” (Êxodo 20:8-11).

Ao defenderem a validade e permanência do quarto mandamento, os adventistas o fazem como seguidores e imitadores de Cristo, que foi obediente a todos os mandamentos, inclusive o sábado. Observando-o ao comparecer costumeiramente à sinagoga e participar do estudo e explanação da palavra de Deus (Lucas 4:16, 13:10-17). Também os apóstolos o santificaram. Veja Atos 13:14, 42, 44; 16:13; 17:2; 18:4.

Jesus é o Criador e o santificador do sábado, sinal de Sua Divindade e obra salvífica, pois deu o exemplo ao repousar no sábado em Sua crucifixão (Hebreus 4:10). O sábado é um símbolo do repouso eterno. Simboliza Cristo ao nos convidar a encontrarmos alívio e descanso para nossa sofrida e cansada vida Nele. (Mateus 11:28-30)

Pense: “… o sábado é um sinal do poder de Cristo para nos fazer santos. E é dado a todos quantos Cristo santifica. Como sinal de Seu poder santificador, o sábado é dado a todos quantos, por meio de Cristo, se tornam parte do Israel de Deus”. (EGW, DTN, p. 197.2).

Desafio: Obedecer a todas as reivindicações da Lei de Deus para adorá-Lo “de um sábado a outro sábado” na eternidade.


QUINTA-FEIRA, 22 DE NOVEMBRO 2018 – MORTE E RESSURREIÇÃO

Não somos resultado de um processo evolutivo, e de funções anômalas das energias e forças compensatórias do Universo, mas, da vontade de Deus em criar uma geração de seres racionais, autônomos e proprietários de suas decisões e escolhas.

Deus formou a humanidade do pó da terra e ao soprar-lhe fôlego de vida nas narinas (Gênesis 2:7). Isto é, a vida do ser humano é concedida e não própria. Só Deus tem a vida original (1 Timóteo 6:10). Na humanidade a vida é evanescente, efêmera (Tiago 4:14).

A humanidade teve a promessa de vida duradoura se atendesse as orientações de Deus. No entanto, por livre-arbítrio, desatendeu a ordem divina e, como consequência, entrou a morte neste mundo. Recebemos a morte como quinhão certo e definitivo ao pouco tempo que tenhamos de vida (Salmos 90:10) e, a morte é a única certeza que temos.

A Bíblia ensina que a morte é um estado de ausência de consciência, memória e sentimentos e valores pessoais (Eclesiastes 9:5), inexistência de pensamentos ou participação nas atividades entre os vivos (Salmos 146:4, 115:17). Jesus comparou a morte ao sono, como no caso da menina Talita (Marcos 5:39) e de Lázaro (João 11:11).

Paulo apresenta vida e morte como contraditos. Morte é “o salário do pecado” e vida eterna é “o dom gratuito de Deus, por Cristo Jesus nosso Senhor” (Romanos 6:23). Veja 2 Timóteo 1:10. Vida transferida a nós, pecadores, porque Deus nos amou sobremaneira, de forma intensa e indescritivelmente (João 3:16).

Por isso, a morte é garantida a todo ser humano. Mas, a morte vicária de Cristo possibilitará que alguns não morram, e todos os que morreram crendo no sacrifício e ministério de Cristo no santuário celestial receberão vida nova ao ressuscitarem e, todos serão transformados, de corpos mortais em espirituais, usufruintes de vida eterna. (1 Coríntios 15:51-54; 1 Tessalonicenses 4:13-18)

Pense:A imortalidade, prometida ao homem sob condição de obediência, foi perdida pela transgressão. … E unicamente por meio de Cristo pode a imortalidade ser obtida. … Todo homem pode alcançar a posse desta inapreciável bênção, se satisfizer as condições. Todos os que, “com perseverança em fazer bem, procuram glória, e honra e incorrupção”, receberão “vida eterna” (Romanos 2:7)”. (EGW, GC, p. 533.1).

Desafio: Perseverar em fazer o bem e procurar glória, honra e incorrupção.


SEXTA-FEIRA, 23 DE NOVEMBRO 2018 – PONTOS PARA REFLEXÃO

A unidade na fé não é uma lista de crenças fundamentais adventistas. É também, e principalmente, um aprofundar nas verdades bíblicas além da superfície até encontrar as gemas. “O intelecto, santificado, abrirá os tesouros da Palavra de Deus e reunirá suas preciosas gemas para apresentar a outras mentes e levá-las também a buscar as coisas profundas de Deus”. (EGW, Conselhos sobre Educação, p. 36.1).

Isto nos diz que é muito importante o cristão, especialmente os adventistas, desenvolverem uma experiência que contemple os três aspectos do crescimento humano conforme a vontade de Deus: comunhão – o reino de Deus em primeiro lugar (Mateus 6:33); relacionamento – servindo aos outros com o dom que Deus lhe tenha concedido (1 Pedro 4:10); missão – proclamar o evangelho eterno a todas as nações e em todas as línguas (Apocalipse 14:6).

Tornar cativante sua abordagem dos ensinos marcos de unidade na fé, como a salvação exclusiva e totalmente cumprida em suas demandas e propósitos em Jesus.

Proclamar que a segunda vinda de Cristo é a sua maior e bem-aventurada esperança.

Ir e levar outras pessoas ao santuário celestial, mostrando Jesus como oferta e ofertante em sacrifício pelo pecador contrito e, Intercessor e Sumo-Sacerdote perante o Pai.

Viver um modo de vida que demonstre que o sábado é dia deleitoso, santo dia do Senhor e que deve ser honrado, não fazendo nele seus negócios, mas santificando-o.

Entregar sua vida ao Senhor, de forma que o bendiga e engrandeça mesmo quando houver sofrimentos e até morte, pois você estará certo da ressurreição, em Cristo Jesus, e de toda forma, sua vida eterna e bem-aventurada estará nas mãos do SENHOR.
.
Se comprometa, hoje e sempre, a ter Deus em primeiro lugar e, no que dependa de você, todos vejam que se empenha em viver a unidade da igreja como testemunho real.

Pense:Embora tenha-nos sido confiada a maior e mais importante mensagem já apresentada ao mundo, somos apenas bebês no que se refere à compreensão da verdade em toda sua extensão. Cristo é o Grande Mestre, e o que revelou a João devemos aplicar a nossa mente a compreender e a claramente explanar. Estamos diante das questões mais importantes que o homem já foi chamado a defrontar”. (EGW, OP, p. 20.4).

Desafio: Vivenciar unidade com Deus e espelhar em sua vida e testemunho a unidade com todos.

sobre Portal da Escola Sabatina Online

O Portal da Escola Sabatina Online, Foi criado no dia 31 de Dezembro 2016 com o único intuito é incentivar a todos interessados a estudarem a LES e lhe concedendo a oportunidade de terem acessos diariamente pela via online. Todos os conteúdos do Portal é extremamente de máxima qualidade! Direção: Thiago A. de Oliveira - Baixo Guandu/ES.

Além disso, verifique

Comentários para Adolescentes: Lição 11 – O Fim do Mundo – 08 a 15 de Dezembro 2018

  SÁBADO A TARDE – 08 DE DEZEMBRO 2018 – FIM? Olá amigos espero que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale Conosco!!