Novidades
Início / LIÇÃO JOVENS - 3° TRIMESTRE 2018 / Jovens: Lição 11: Preso em Jerusalém – 08 a 15 de Setembro 2018

Jovens: Lição 11: Preso em Jerusalém – 08 a 15 de Setembro 2018

Print Friendly, PDF & Email

 



“Na noite seguinte o Senhor, pondo-se ao lado dele, disse: ‘Coragem! Assim como você testemunhou a meu respeito em Jerusalém, deverá testemunhar também em Roma’” (At 23:11).


PRÉVIA DA SEMANA

Quando fazemos as coisas certas no serviço de Deus, não há garantia de que estaremos seguros. Mas sabemos que Deus não nos abandona. Em vez disso, Ele nos dá a coragem de que precisamos para perseverar.


LEITURA ADICIONAL 

Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, capítulo 38, “Paulo Prisioneiro”


DOMINGO, 09 DE SETEMBRO 2018 – HERÓIS

Em sua carta a Timóteo, Paulo escreveu: “De fato, todos os que desejam viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos” (2Tm 3:12). Será que todo adventista se sente como eu quando ouve sobre o assunto da perseguição nos últimos dias? Várias perguntas começam a passar pela mente: Estarei pronto? Conseguirei atravessar esse período sem negar minha fé? Serei corajoso o bastante para enfrentar prisão ou morte?

Em Antioquia, houve um bispo chamado Inácio que foi acusado de crime por praticar a fé cristã. Ele foi preso e enviado a Roma, para ser julgado e morto por professar crer em Jesus. Não se deixando abater, Inácio, como fez o apóstolo Paulo, aproveitou sua viagem para pregar o evangelho aos soldados que o escoltaram. Ele encorajou as igrejas em todas as cidades em que passou a caminho de Roma, pregando a Palavra de Deus para elas! Mesmo sofrendo perseguição, e sendo levado para morrer, Inácio foi uma bênção para outros.

Em sua carta à Igreja de Roma, ele escreveu: “Agora começo a ser um discípulo. Não me interesso por nada do que é visível ou invisível, para que possa apenas conquistar Cristo. Que venham a fogueira e a cruz, que venham as feras selvagens, que venham a quebra de ossos e a dilaceração de membros, que venha a trituração do corpo inteiro, que assim seja. Quero apenas conquistar Cristo Jesus!”*

Foi recebendo diariamente a graça de Deus, que aqueles que vieram antes de nós conseguiram resistir corajosamente à perseguição implacável e angustiante, olhar ousadamente para além do ocaso de sua vida e ver um futuro brilhante no Céu. Assim será conosco. Não precisamos temer o que nos aguarda no futuro. Podemos confiar crendo que, mesmo nos momentos mais escuros, seremos “mais que vencedores, por meio Daquele que nos amou” (Rm 8:37). O verdadeiro heroísmo sempre caracterizou os filhos de Deus.

Você estará entre eles no Céu?

* John Foxe, O Livro dos Mártires (http://lelivros.love/book/baixar-livro-o-livro-dos-martires-john-foxe-em-pdf-epub-e-mobi-ou-ler-online/), capítulo 1.

Stephanie Akenberger › Traverse, Michigan, EUA

MÃOS À BÍBLIA

1. Leia Atos 21:23-26. Como Paulo demonstrou que ainda era um judeu fiel?

Paulo foi aconselhado a ser politicamente correto. Ele devia mostrar a falsidade dos rumores a seu respeito fazendo algo bem “judaico”: financiar o voto de nazireado de alguns cristãos judeus. Esse voto era um ato especial de piedade por meio do qual um judeu se reconsagrava a Deus.

Infelizmente, Paulo cedeu. Os heróis, inclusive os bíblicos, têm suas falhas, como podemos ver na vida de Abraão, Moisés, Pedro e vários outros. É possível argumentar que Paulo estava apenas seguindo seu princípio de proceder como judeu ao lidar com judeus (1Co 9:19-23), ou que ele mesmo teria feito um voto pouco antes (At 18:18), embora a natureza exata desse voto não seja clara. Dessa vez, no entanto, Paulo foi transigente. Sua ação endossou as motivações legalistas por trás da recomendação que lhe fora feita. A implicação de sua atitude era exatamente aquela que ele tentava combater vigorosamente: a ideia de que havia dois evangelhos, um para gentios, de salvação pela fé, e outro para judeus, de salvação pelas obras. Paulo, porém, “não estava autorizado por Deus para ceder tanto quanto pediam” (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 405).

EXPOSIÇÃO


SEGUNDA-FEIRA, 10 DE SETEMBRO 2018 – MORRER POR CRISTO

O período posterior à conversão de Paulo foi marcado por uma série de situações ameaçadoras. Em Damasco, os judeus procuraram matá-lo. Durante suas viagens, eles o perseguiram instigando as multidões para tirar a vida do apóstolo. Os romanos e gregos desprezaram sua mensagem. Mas, surpreendentemente, após três conturbadas viagens missionárias, pela proteção divina Paulo permaneceu vivo!

Durante sua terceira viagem, o Espírito Santo revelou as provas e tribulações que o aguardavam em Jerusalém. Apesar das advertências, Paulo seguiu para lá. Ao se despedir dos anciãos da Igreja de Éfeso, ele disse: “Agora, compelido pelo Espírito, estou indo para Jerusalém, sem saber o que me acontecerá ali, senão que, em todas as cidades, o Espírito Santo me avisa que prisões e sofrimentos me esperam. Todavia, não me importo, nem considero minha vida de valor algum para mim mesmo, se tão somente puder terminar a corrida e completar o ministério que o Senhor Jesus me confiou, de testemunhar do evangelho da graça de Deus” (At 20:22-24).

O ministério de Paulo (At 21:23-26). De acordo com Atos 9:15 e 16, a missão do apóstolo Paulo consistiu em pregar o evangelho aos gentios. Isso foi especialmente relevante no contexto da igreja primitiva, considerando que a questão era a unidade no corpo de Cristo. Alguns cristãos judeus não viram com bom olhos a pregação da mensagem para os gentios, e depois que estes se converteram, eles os trataram com desrespeito. Os cristãos judaizantes defendiam que os conversos gentios precisavam guardar a lei de Moisés para ser salvos.

Foi nesse contexto que Paulo chegou a Jerusalém. Primeiramente, ele procurou testemunhar para os irmãos sobre sua obra entre os gentios. Depois de ouvir seu relato, eles contaram que alguns cristãos judaizantes achavam que ele estivesse ensinando os conversos gentios a não seguir os costumes judaicos. Paulo foi questionado e atacado por um grupo de revoltosos vindo da Ásia.

Por que os judeus estavam tão irados? (At 21:27-36). Ao longo do livro de Atos, encontramos alguns fatos que podem responder essa questão. Atos 6 nos diz que “não podiam resistir à sabedoria e ao Espírito com que ele [Estêvão] falava” (At 6:10). Os judeus ficaram irados com a influência e o poder do evangelho. Rejeitaram a ideia de que Jesus era o Messias (At 13:46), não aceitaram que o evangelho fosse pregado aos gentios(At 22:21, 22) e defenderam a ideia de que a lei de Moisés ainda era necessária. Esse foi o ponto sobre o qual apresentaram sua acusação contra Paulo: a ideia de que o apóstolo havia desprezado a lei e o templo (At 21:28). Os cristãos judaizantes e os judeus não cristãos tinham em comum esses dois pontos de oposição.

O testemunho de Paulo (At 22:1-29). Mesmo estando preso, Paulo aproveitou a oportunidade para falar à multidão que havia se revoltado. Ele testemunhou que o Senhor o havia designado para também levar a mensagem de salvação aos gentios. Sua experiência pessoal causou impacto. Ele contou que havia seguido os costumes judaicos durante a maior parte de sua vida. Porém, ao contrastar sua vida antiga como perseguidor dos cristãos, com a nova vida em Cristo, viu que havia passado por uma transformação radical.

A causa de Cristo (At 23:1-10). Ao ser levado perante o Sinédrio, Paulo apresentou sua identidade como fariseu e filho de fariseu. À primeira vista, isso pode ter parecido uma atitude covarde para que ele evitasse sofrer pelo evangelho, mas a intenção de Paulo era testemunhar em Roma (At 19:21). Ele sabia que somente como cidadão romano conseguiria apelar a César, e revelou aos que o tinham sob custódia que ele era um cidadão romano de nascença.

Embora parecesse que suas intenções de pregar o evangelho tivessem sido destroçadas (At 22:22-25; 23:10; 23:13-15), Deus dirigiu as circunstâncias de tal forma que Ele foi glorificado pelo ministério do apóstolo. Paulo sabia que teria que suportar sofrimentos pela causa de Cristo, mas, mesmo assim, exaltou o nome de Jesus perante os gentios e os filhos de Israel (At 9:15, 16). Ele cumpriu sua missão como vaso escolhido do Senhor, tendo como único objetivo pregar a mensagem da salvação.

Roxanne Dobson › Coral Springs, Flórida, EUA

MÃOS À BÍBLIA

3. Leia Atos 22:22-29. Como a multidão reagiu à afirmação de Paulo de que ele era um apóstolo dos gentios?

A decisão de deixar Paulo falar não deu muito certo. Ao referir-se ao seu compromisso com os gentios, Paulo parecia estar confirmando a veracidade das acusações contra ele (At 21:28), e a multidão ficou ainda mais irritada. O comandante romano pode não ter entendido tudo o que Paulo disse; por isso, ele decidiu interrogá-lo por meio de açoites. Contudo, além de ser judeu de puro sangue (Fp 3:5), Paulo também tinha cidadania romana, e quando mencionou isso, o comandante teve que recuar. Como cidadão romano, Paulo não podia ser submetido a esse tipo de tortura.

4. Leia o discurso de Paulo (At 22:1-21). Quais são as evidências de que, além de se defender, ele também estava pregando para seus irmãos judeus? Por que ele contou sua história de conversão? Por que histórias de conversão podem ser tão poderosas?

PENSE NISTO

Será que não estou julgando de maneira injustificada aos que estão buscando a salvação?

Como posso fazer para que todos os que se achegam à minha igreja se sintam bem-vindos e aceitos por Cristo?

De que maneira podemos mudar o conceito dos que acham que as diferenças da cor da pele, etnia e cultura são empecilhos para que nos tornemos um em Cristo?

TESTEMUNHO


TERÇA-FEIRA, 11 DE SETEMBRO 2018 – UNIDOS SOB A DIREÇÃO DE DEUS

“Podemos professar ser seguidores de Cristo, podemos professar crer em todas as verdades da Palavra de Deus; mas isso não fará bem ao nosso próximo, a não ser que nossa crença esteja entrelaçada com nossa vida diária. […] A causa de Cristo não pode ser favorecida por nenhum procedimento egoísta. Sua causa é a causa do oprimido e do pobre. Há necessidade de terna simpatia de Cristo no coração de Seus seguidores professos […].”1

“Os apóstolos, ao se dirigirem a Jerusalém, chamavam os irmãos das cidades pelas quais passavam e os encorajavam, relatando suas experiências na obra de Deus e a conversão dos gentios à fé. […] [Pedro] havia relatado como o Espírito Santo veio sobre eles, e havia dito: ‘Pois, se Deus lhes concedeu o mesmo dom que a nós nos outorgou quando cremos no Senhor Jesus, quem era eu para que pudesse resistir a Deus? (At 11:17, ARA).’”2

“Essa mensagem mostra que Deus não faz acepção de pessoas, mas aceita e reconhece a quantos O temem. Pedro falou de seu assombro quando, ao transmitir as palavras da verdade àquela assembleia em casa de Cornélio, testemunhara que o Espírito Santo Se apossara de seus ouvintes, tanto gentios como judeus. […] Isso era uma advertência de Deus a Pedro para que não considerasse pessoa alguma inferior a outra; porque o sangue de Cristo pode limpar de toda a imundícia.”3

“Deus não reconhece distinção alguma de nacionalidade, etnia ou classe social. […] Em Cristo não há nem judeu nem grego, servo nem livre. Todos são aproximados por Seu precioso sangue. […] Podem ser maltrapilhos, grosseiros e, segundo toda a aparência, nada atraentes; contudo são propriedade de Deus. […] São membros da grande família de Deus, e os cristãos, como mordomos Seus, são por eles responsáveis.”4

1. Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 383, 384.

2. ________ , Sketches from the Life of Paul, p. 63, 64, 67, 68.

3. ________ , Atos dos Apóstolos, p. 193.

4. ________ , Parábolas de Jesus, p. 386, 387.

Abigail Almeida-Arrieta › Battle Creek, Michigan, EUA

MÃOS À BÍBLIA

2. Leia Atos 21:27-36. O que aconteceu com Paulo no final de seu período de sete dias de purificação?

Seguiu-se um tumulto causado por aqueles que incitaram a multidão contra Paulo, acusando-o de atacar os símbolos mais sagrados da religião judaica, e especialmente de ter profanado o templo. Visto que um dos companheiros de viagem de Paulo era um cristão gentio de Éfeso, chamado Trófimo (At 21:29), eles acharam que o apóstolo o havia introduzido no pátio interno do templo, onde só judeus podiam entrar. Se a acusação fosse legítima, Paulo seria culpado de um crime muito grave. Ao longo do muro que separava o pátio externo do interno, havia placas em grego e em latim advertindo os visitantes gentios a não avançarem, senão eles seriam pessoalmente responsáveis por sua própria morte.

Quando a notícia do tumulto chegou à fortaleza romana que ficava junto ao templo, o comandante romano, Cláudio Lísias (At 21:31, 32; 23:26), foi com suas tropas e resgatou Paulo antes que a multidão o matasse.

Sendo alvo dos ataques, Paulo foi preso e atado com correntes enquanto o comandante tentava indagar o que estava acontecendo. Diante dos gritos histéricos da multidão, ele ordenou que o apóstolo fosse recolhido à fortaleza.

PENSE NISTO

Que ministério o Senhor tem me chamado para realizar?

Como posso testemunhar de modo a revelar a transformação que o Espírito Santo operou em minha vida?

EVIDÊNCIA


QUARTA-FEIRA, 12 DE SETEMBRO 2018 – DIMENSÕES DA FÉ

Enquanto muitos foram testemunhas oculares dos milagres de Cristo e creram Nele, outros testemunharam esses mesmos acontecimentos e se recusaram a crer. Leon Tolstoi, famoso escritor, disse: “Sou um ser humano apenas nas ocasiões em que creio em Deus”. A fé de Tolstoi em Deus definia sua identidade, seu significado e seu propósito de vida.

A fé de Tomé, discípulo de Cristo, exigia evidências visíveis para crer na ressurreição do Salvador.

Em seus teoremas da incompletude, publicados em 1931, Kurt Gödel “virou de cabeça para baixo” o mundo da matemática. Ele demonstrou que é impossível qualquer sistema matemático provar suas afirmações ou negá-las. Por exemplo, para explicar um sistema x, precisamos de um sistema y, que esteja fora do sistema x e seja maior que ele. Para explicar o sistema y, precisamos de um sistema z, também fora do sistema y e maior que ele. E assim sucessivamente. A implicação dos teoremas de Gödel é que a crença sem evidências permeia a existência humana.

Considere a teoria quântica. Ela é bizarra, desafia a lógica e nela a realidade se comporta de maneira tão estranha que muda completamente a física newtoniana (clássica). Como um fóton (matéria) “sabe” quando deve se dividir? Um fóton tem uma “consciência de observação” que o faz deixar de se comportar como uma onda e passar a se comportar como uma partícula?

A Bíblia está repleta de histórias que ilustram a crença contra as evidências. Veja o caso dos três jovens hebreus que, sem saber se iriam sobreviver ao fogo, “entraram” na fornalha ardente. O mesmo ocorreu com Jó, que disse: “Embora Ele me mate, ainda assim esperarei Nele” (Jó 13:15). Ele se propôs a seguir em frente, apesar das evidências contrárias (sua saúde que ficava a cada dia pior).

A crença contra as evidências se fundamenta na Palavra de Deus mesmo quando a lógica diz que aquilo é impossível.

Valmy Karemera › Houston, Texas, EUA

MÃOS À BÍBLIA

5. De acordo com Atos 23:1-5, como Paulo começou sua defesa perante o Sinédrio?

6. Leia Atos 23:6-10. Como Paulo tentou, engenhosamente, desestabilizar o processo?

O Sinédrio era composto de saduceus e fariseus que se opunham uns aos outros em uma série de questões; doutrina era uma delas. Os saduceus, por exemplo, cujas Escrituras incluíam apenas os primeiros cinco livros de Moisés (o Pentateuco), não acreditavam na ressurreição dos mortos (Mt 22:23-32).

APLICAÇÃO


QUINTA-FEIRA, 13 DE SETEMBRO 2018 – NÃO ME ENVERGONHO DO EVANGELHO

Paulo não se envergonhou nem teve medo de pregar o evangelho. É fácil olhar para o ministério do apóstolo e, simplesmente, vê-lo como mais um personagem bíblico. Contudo, ao se submeter ao poder transformador do Espírito Santo, ele se tornou um “vaso escolhido” nas mãos do Senhor. Da mesma forma, os que nascem na família de Deus são chamados para cuidar da Sua vinha. De que forma você pode atender a esse convite?

Descobrindo seu campo missionário (At 23:11; Rm 1:16; Mc 10:45). Todos aqueles que estão dentro de sua esfera imediata de influência: familiares, amigos, colegas de trabalho, colegas de estudo, pessoas carentes, fazem parte do seu campo missionário. Veja onde e como você pode ser usado. Nosso campo missionário começa no lar e se estende a todos os lugares aonde formos.

Dispondo-se (At 21:11-14; Js 1:9). Procure construir relacionamentos. Convide alguém para uma refeição em seu lar, para ir à igreja, ou simplesmente se disponha a ajudar e ouvir uma pessoa do seu rol de amizades.

Compartilhando (At 22:1-21; 1Pe 3:15; Jo 17:17). Não tenha medo de testemunhar a respeito do que Deus tem realizado em sua vida. O testemunho pessoal é poderoso. Quando contamos como Jesus pode transformar vidas, a mensagem do evangelho se torna mais tangível e concreta. Dirija a conversa para assuntos espirituais e se ofereça para estudar a Bíblia com a pessoa.

Orando por sabedoria e capacitação (At 23:6-9; Mt 10:16). Cada pessoa é alcançada de uma forma diferente. Encontre algo em comum para estreitar a amizade e se relacionar com as pessoas. Em tudo há um processo. Não fique desanimado se as coisas não estiverem andando da maneira que você planejou. Ore por direção e sabedoria. Cumpra sua missão e deixe os resultados com Deus.

Andrew Park › East Lansing, Michigan, EUA

MÃOS À BÍBLIA

7. De acordo com Atos 23:12-17, qual era o plano dos judeus contra Paulo? Como esse esquema foi frustrado?

O fato de que mais de 40 judeus conspiraram contra Paulo e se uniram em um juramento revela o ódio que o apóstolo despertava em Jerusalém.

8. Leia Atos 23:26-30. Qual foi a mensagem que o comandante Lísias enviou ao governador Félix sobre Paulo?

A carta apresentava a Félix um relatório justo sobre a situação. Além disso, mostrava como Paulo havia sido beneficiado por sua cidadania romana. A lei romana protegia plenamente seus cidadãos, que tinham o direito, por exemplo, a um julgamento legal, em que pudessem comparecer perante o tribunal e se defender (At 25:16), e também o direito de recorrer ao imperador no caso de um julgamento injusto(At 25:10, 11).

PENSE NISTO

A quem você pode levar o evangelho? De que maneira você pode conduzir as coisas para falar de Jesus?

Quais recursos você tem à sua disposição para estudar a Bíblia com alguém? Quem pode ajudar você nessa tarefa?

Anotações


SEXTA-FEIRA, 14 DE SETEMBRO 2018 – TUDO COOPERA PARA O BEM

A vida virou de cabeça para baixo! Tudo deu errado! Os esforços fracassaram! Você já se sentiu assim? Se sim, você tem algo em comum com Paulo. Em seus esforços para unir a igreja, ele acabou sendo preso no templo. Enquanto os guardas o levavam para sua cela, ele pediu para que o deixassem falar à multidão. Deus o usou para dar seu testemunho. Por ser cidadão romano, ele escapou de ser açoitado. Assim, sua primeira noite na fortaleza não foi tão ruim. Contudo, no dia seguinte, ao comparecer diante do Sinédrio, as coisas pioraram. O resultado que ele esperava alcançar com sua viagem estava se desvanecendo.

O que seria se não pudesse mais pregar? Seria possível que seu ministério terminaria daquela forma? Havia ainda tantas cidades para pregar as boas-novas sobre Jesus! “Sem dúvida, ao refletir sobre os acontecimentos dos dois dias anteriores, Paulo deve ter se questionado, diante das repetidas advertências, sobre seu obstinado propósito em visitar Jerusalém (At 20:24).”*

Será que o apedrejamento de Estêvão, o qual ele havia consentido, iria também ser seu próprio destino?

Paulo, em súplicas, buscou o Senhor de todo o seu coração. Não sabemos a que hora da noite Deus lhe respondeu, mas, Atos 23:11, nos diz: “O Senhor, pondo-se ao lado dele, disse: ‘Coragem! Assim como você testemunhou a Meu respeito em Jerusalém, deverá testemunhar também em Roma.’”

A angústia do apóstolo se transformou em alegria. Ele sempre havia desejado ir a Roma. Não tinha planejado ir algemado, mas sabia que Deus é especialista em tirar algo bom de situações ruins.

Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 446.

Nancy Schafner › Salt Lake City, Utah, EUA

MÃOS À OBRA

Reflita em algumas coisas que causaram desunião em seu lar, na escola ou no trabalho. Quais foram os motivos? Eles também podem existir em nossas igrejas?

Quais são as diferenças e as semelhanças entre unidade e conformidade? Como podemos ter certeza de que estamos defendendo a unidade e não a conformidade?

Entreviste alguém de sua igreja a respeito da unidade entre os irmãos. Pergunte-lhe o que contribui para a unidade, o que causa desunião na igreja e quais seriam as soluções.

Reflita na seguinte citação de A. W. Tozer (Livro: Em Busca de Deus): “Já lhe ocorreu que cem pianos, todos afinados pelo mesmo diapasão, estão automaticamente afinados entre si? Eles estão em harmonia por estarem afinados, não uns de acordo com os outros, mas de acordo com um padrão ao qual cada um precisa se submeter individualmente.”

PENSE NISTO

Você se lembra de alguma ocasião em que o Senhor transformou algo ruim em algo bom em sua vida?

sobre Portal da Escola Sabatina Online

O Portal da Escola Sabatina Online, Foi criado no dia 31 de Dezembro 2016 com o único intuito é incentivar a todos interessados a estudarem a LES e lhe concedendo a oportunidade de terem acessos diariamente pela via online. Todos os conteúdos do Portal é extremamente de máxima qualidade! Direção: Thiago A. de Oliveira - Baixo Guandu/ES.

Além disso, verifique

Informativo das Missões (Menores): Guardas de Vestes Brancas – 24 de Novembro 2018

  Numa tarde de sábado, trinta desbravadores e seus líderes juntamente com outros adultos se …

um comentário

  1. Bom dia!!! Muito obrigada pelos conteúdos gratuitos irmão! Eu tenho estudado a LES por aqui! Deus seja louvado pela sua iniciativa! Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale Conosco!!